O que faz um bumerangue voltar?

Bumerangues não-retornáveis foram usados ​​por pelo menos 20.000-30.000 anos, sendo o mais antigo exemplo conhecido esculpido em presa de um mamute. Estes bumerangues foram utilizados para a caça e foram projetados para o voo em linha reta e para ficar no ar o maior tempo possível quando jogado corretamente.

Resumidamente, o formato abaulado de asa é o que mantém o bumerangue voando após o arremesso. O ar que passa por baixo, onde o objeto é reto, tem de percorrer uma distância menor que o ar que dá a volta por cima, onde ele é curvo. Fazer essa curva aumenta a velocidade do ar. Quanto maior a velocidade, menor a pressão: ou seja, a pressão embaixo resulta maior que a de cima. Isso gera a chamada força de sustentação, que impede a queda imediata do bumerangue.

Como o bumerangue é arremessado na vertical, a força de sustentação aponta para o centro do trajeto a ser percorrido. Assim, ela funciona também como uma força centrípeta, desviando o objeto voador para o lado e provocando a curvatura de seu percurso circular.

À medida que o bumerangue gira, sua ponta que está para cima sempre se projeta para a frente e a de baixo, para trás. Assim, a ponta superior sempre ganha mais velocidade que a inferior, embora o centro do objeto se desloque a uma velocidade constante. É como um peão que gira sobre si mesmo, mas ao mesmo tempo se desloca no espaço: o chamado efeito giroscópico, que fará o bumerangue dar a volta completa no ar.

A maioria dos estudiosos acredita que, pelo fato de os bumerangues não-retornáveis não servirem muito para a caça, eles era simplesmente usados para o esporte, possivelmente pela primeira vez pelos aborígenes australianos, embora os antigos egípcios e muitas outras culturas também os fizeram. Tutancâmon tinha uma coleção de bumerangues retornáveis (e não-retornáveis). [Today I found outSuper Interessante]

(Visited 257 times, 1 visits today)

Filipe Aguiar

Filipe Aguiar Formado em Analise e Desenvolvimento de Sistemas pela Universidade São Francisco, fundou o Respiramos Ciência em 2014. É apaixonado por astronomia, biologia, livros, rock, RPGs, filmes e ama tocar bateria.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.